O Banco Central decidiu mais uma vez neste mês por manter o piso dos juros do país, a taxa Selic, em 2% ao ano. O problema é que a inflação continuou subindo – em novembro, a alta foi de 4,3% em 12 meses.

Os números deixam claro que o aumento dos preços já passou com folga os rendimentos de quem investiu em alguma aplicação que remunere o mesmo que a Selic ou menos. Isso significa que esse investimento até rendeu um pouco, mas o que perdeu de valor por conta do avanço de preços foi maior.

É o que aconteceu com aplicações como a poupança, o Tesouro Selic, fundos DI e CDBs, LCAs e LCIs que remuneram até 100% do CDI. O CDI é uma taxa usada pelos bancos que é praticamente igual à Selic, ou seja, está próxima dos 2% ao ano atualmente também.

E o pior: a perspectiva é de que os juros básicos continuarão nesse nível ainda por algum tempo, o que significa que o rendimento de boa parte da renda fixa deve continuar perdendo para a inflação ao longo de 2021 inteiro, pelo menos.

Essa variação já foi negativa em alguns outros momentos espalhados pelo passado, consideradas apenas as altas mensais dos juros e dos preços. Nos meses seguintes, porém, o jogo logo se invertia de novo e o saldo do ano sempre acabava positivo para os investidores.

Esta é a primeira vez, porém, que os juros ficam negativos ao fim de um ano inteiro. E não foi pouco negativo. Até novembro, o rendimento do CDI em 12 meses foi de 3%, enquanto a inflação chegou nos 4,3%. A perda real, com isso, é de 1,3%.

É o pior desempenho desde pelo menos 2001, de acordo com cálculos feitos pelo coordenador do Laboratório de Finanças do Insper, Michael Viriato.

Consideradas as variações mensais, o CDI já está perdendo para a inflação há seis meses seguidos, também o maior período sem ganhos reais mensais nessas duas décadas. Em novembro, o CDI rendeu 0,15%, enquanto a inflação foi 0,9%.

 

Ainda há luz na renda fixa

Apesar do prognóstico desolador para os rendimentos, especialistas reforçam que existe muita vida na renda fixa para além da Selic e do CDI básicos.

“Aqui, estamos falando de apenas um tipo de investimento específico, que são os títulos de renda fixa de curto prazo, alta liquidez e baixo risco”, disse Viriato, do Insper, mencionando os clássicos como a poupança e o Tesouro Selic, único título do Tesouro Direto que remunera exatamente a Selic.

“Para ganhar mais, a pessoa vai ter que planejar um pouco melhor. Imagina se ela guarda o dinheiro da aposentadoria em títulos que pagam só a Selic ou o CDI? Quando chegar lá já não vai valer mais nada.”

É possível encontrar títulos públicos, de bancos (CDBs, LCAs e LCIs) e também emitidos por empresas, caso das debêntures, pagando mais.

Um dos principais segredos passa por aplicar em títulos com prazos de investimentos mais longos, o que, por outro lado, exige melhor programação, já que o resgate antes da data final pode não ser possível ou implicar em perdas.

 

Ações para todos, mesmo que pouco

Valter Police, planejador fiduciário da gestora de investimentos Fiduc, reforça a necessidade cada vez maior de diversificar a carteira para além da renda fixa.

Ele menciona alternativas como ações, fundos multimercados, fundos imobiliários e também investimentos no exterior. São opções que vão ocupar um espaço maior ou menor no portfólio ao lado da renda fixa de acordo com o perfil e objetivos de cada um.

“A gente não recomenda para nenhum cliente ter 100% em renda fixa, mesmo os mais conservadores. A única exceção é quando a pessoa só tem o dinheiro da reserva de emergência”, disse.

“É claro que para aqueles com perfil superconservador, estamos falando de um pedaço bem pequeno em renda variável, de 3% ou 4%.”

 

Reserva de emergência negativa

A única fronteira que fica sem muita opção de rendimentos melhores em um Brasil onde os juros básicos seguirão menores do que a inflação é o investimento que compõe a reserva de emergência.

Trata-se do dinheiro que tem sempre que estar fácil à mão para imprevistos e necessidades do dia a dia. Neste caso, é difícil fugir das opções mais básicas e menos rentáveis como o Tesouro Selic, a poupança, fundos DI e CDBs com resgate diário, que pelo menos dão a facilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento sem perdas.

“A reserva não tem jeito, ela não vai render muito e pode até tirar algo de você, por conta da inflação”, disse Police.

“E isso, na verdade, não tem importância. O papel dela não é fazer o patrimônio crescer, é estar em um lugar seguro e disponível para que você possa usar. Os investimentos relevantes serão aqueles feitos com o restante do dinheiro, visando o médio e longo prazo.”

 

Conteúdo por: CNN Brasil

Share via
Copy link
Powered by Social Snap